MINHA CONTA

Endereço de e-mail

Senha

Joias de Prata 925 e 950

Aneis de Prata 925 e 950 com Pedras

Anel de Prata 925 com Multigemas e Marcassitas Naturais

Anel de Prata 925 com Multigemas e Marcassitas Naturais

(000876)

Marca:  Preciosa  | 

Modelo:  Jóia de Prata 925 com Gemas Naturais

Belo Anel de Prata 925 com Multigemas e Marcassitas Naturai

mais informações

Anel de Prata 925 com Multigemas e Marcassitas Naturais

(000876)

Marca:  Preciosa  | 

Modelo:  Jóia de Prata 925 com Gemas Naturais

Belo Anel de Prata 925 com Multigemas e Marcassitas Naturai

mais informações

As combinações acima não possuem estoque.

Produto temporariamente indisponível

Descrição do Produto

DESCRIÇÃO:

Anel de Prata 925 com Multigemas e Marcassitas Naturais

Nome da(s) Pedra(s): Ametista, Granada, Citrino, Topázio, Calcedônia, Rubi e Marcassita
Cor da(s) Pedra(s): Lilás, Vermelho, Amarelo, Azul, Verde
Aro: 18*
Peso: 6,5 gramas
Tipo de Metal: Prata 925
Dimensões da(s) Pedra(s): Tanzanitas - 7 x 5
Lapidação: Pêra Facetada
Face da Jóia: 20 X 16 mm
Brilho: Excelente

Origem da(s) Gema(s): Brasil, África, Moçambique e Vietnan
*OBS: O aro do anel pode ser alterado para qualquer tamanho; basta adquirir um item "Ajuste de Anel" no Departamento "Outros" para cada anel que deve ser alterado e informar o número desejado no campo "Observações" na conclusão do pedido.


CURIOSIDADES:

Ametista

O nome vem do Grego amethystos, significa não ébrio, não bebido. É a pedra mais apreciada da família dos Quartzos. A sua cor é violeta púrpura, podendo ser mais profunda ou mais suave; também é encontrada com faixas brancas de quartzos leitosos.

Esta pedra ocupou destaques importantes em ornamentos católicos ao longo dos séculos, considerada a pedra de Bispos e Cardeais. No século XVIII era muito valorizada, após descoberta de jazidas no Brasil se tornou uma pedra de médio valor. Quando têm formato de pirâmides, a cor mais intensa predomina nas pontas dos cristais. A ametista é encontrada em muitos países, mas os maiores depósitos estão no Sul do Brasil e no Uruguai.

Jazidas: As Ametistas são encontradas em geodos, gretas ou jazidas aluvionares. As jazidas mais importantes estão no Brasil, Uruguai e República de Malgaxe.

Cuidados com a sua ametista: A Ametista é uma pedra muito durável e por isso é uma ótima escolha para o uso diário. Deve-se apenas tomar o cuidado de retirar a jóia em atividades em que a pedra possa sofrer riscos. Tomando-se este cuidado a pedra estará sempre intacta.

Granada:

As granadas, assim como as turmalinas, são um grupo de gemas que compreende várias espécies, e não uma única espécie com diversas variedades, como é o caso do quartzo. Indica um grupo de minerais silicatos, de propriedades semelhantes, mas de composição química diferentes.
Quando se fala de granada, em Gemologia, não se está designando uma espécie mineral, mas sim um grupo de minerais que possuem várias características semelhantes.
Usualmente, associa-se as granadas à cor vermelha, mas elas podem ter várias outras cores, incluindo o incolor, exceto na cor azul. Não apresentam clivagem o que, aliado ao fato de serem do sistema cúbico, facilita bastante sua lapidação, pois não há necessidade de se orientar o cristal para lapidá-lo.
Esses minerais são silicatos que cristalizam no sistema cúbico, exibindo muito freqüentemente cristais granulares (daí seu nome), bem formados, com todas as faces (cristais euédricos). Podem ser, por exemplo, dodecaedros, que têm doze faces. Eles não costumam ser grandes, mas achou-se na Noruega um cristal de granada de 2,30 m de diâmetro e 37,5 t, o maior de que se tem notícia.
As granadas são transparentes a semitransparentes ou opacas, de brilho vítreo e resinoso, graxo ou adamantino. A dureza varia de 6,5 a 7,5 e a densidade, de 3,50 a 4,20. Traço branco, fratura concóide, quebradiça, irregular. A granada pode ocorrer também em massas granulares compacta
É uma gema que pode ter várias cores, à exceção do azul. O nome granada não designa uma gema, mas um grupo de gemas. As granadas mais importantes como pedras preciosas são piropo (a mais valiosa), rodolita, tsavorita, almandina, espessartina, grossulária, hessonita e andradita. Conforme a espécie, pode-se ter uma granada incolor, vermelha (a mais comum), amarela, marrom, preta e até verde (chamadas demantóide e tsavorita). As espécies mais comuns são almandina (a mais usada como gema), grossulária, spessartita, andradita, piropo e uvarovita. Elas possuem diversas variedades, como rodolita, hessonita, tsavorita e topazolita, por exemplo.
Os tons rubros vão desde o framboesa até o vermelho cor de sangue.
Os tons de verde são equivalentes aos das esmeraldas, existindo ainda granadas em tonalidades de amarelo, laranja e castanho.
Os variados aspectos das granadas possibilitam uma utilização adequada a todos os gostos e é acessível a todos os bolsos.
Os piropos maiores têm até dois quilates, podendo ter um vermelho bonito. As almandinas vão do laranja-averrnelhado ao vermelho. Já a rodolita tem cor vermelho-arroxeada ou roxo-averrnelhada, algumas vezes rosa ou vermelho-púrpura. Raramente tem mais de cinco quilates. Muitas gemas, vendidas como rodolita são, na verdade almandina ou piropo. Outras granadas são as andraditas, que podem ser verdes, amarelas, marrons ou pretas. A granada mais valiosa é a tsavorita, que possui um verde esmeralda profundo. Existem ainda outras granadas, que têm cores que vão do amarelo ao rosa.
A mais valiosa dessas espécies é, para alguns, o piropo, de cor vermelha bem viva. Walter Schumann, porém, considera o demantóide, uma variedade de andradita, a granada de maior valor. A propósito, é bom lembrar que a andradita tem esse nome em homenagem a um brasileiro, José Bonifácio de Andrade e Silva ? o Patriarca da Independência (que além de político, foi um grande mineralogista e descobridor de vários minerais).

Jazidas: Os principais centros de extração de granadas são a África do Sul, o Sri Lanka, Madagáscar, Brasil, Índia e Austrália.

Cuidados com a sua Granada: Tal como para as restantes gemas, temos que as proteger de riscos e de temperaturas elevadas.

Propriedades: Clarividência, orgulho, sucesso, autoconfiança, força e vitória. Liga ao coração e sexualidade.

Citrino

O nome, citrino, é derivado de sua cor amarelo-limão (do latim citrus). Os citrinos de cor amarelo-intensa chamados de "citrinos madeiras" são raros e muitas vezes são chamados, erroneamente, de topázio, devido à semelhança de sua cor.

Jazidas: As jazidas mais importantes de citrino estão no Brasil, República de Malgaxe, EUA, Espanha e Montes Urais.

Cuidados com seu citrino: Admirado por sua beleza e durabilidade, o citrino é uma boa escolha para o uso diário. Deve-se apenas tomar o cuidado de removê-lo quando for praticar atividades que possam riscá-los.

Calcedônia
Nome: CALCEDÔNIA
Fórmula química: SiO2
Sistema Cristalino: Trigonal
Dureza: 7
Densidade: 2,65
Clivagem: Inexistente
Fratura: Concóide
Cor: Variável
Cor do traço: Branca
Brilho: Ceroso
Fluorescência: Ausente
Calcedônia é uma das variedades criptocristalinas do mineral quartzo, tendo um brilho graxo. Pode ser semitransparente ou translúcida e é geralmente branca a cinzenta, cinzento-azulada ou em alguma tonalidade de marrom, às vezes quase preta.
Outras tonalidades recebem nomes específicos. A calcedónia vermelha é conhecida como cornalina ou sárdio; a variedade verde colorida por óxido de níquel é chamada crisoprásio. Prásio tem cor verde-alho. Plasma é uma calcedónia de cor clara a verde-esmeralda que é encontrada às vezes com pequenos pontos de jaspe assemelhando-se a gotas de sangue; foi chamada de pedra-de-sangue ou heliotrópio.
A calcedónia é um dos poucos minerais que é encontrado em geodos.
O termo calcedónia é derivado do nome em grego da antiga cidade de Calcedónio (Chalkedon), na Ásia Menor, no que é hoje a parte oriental da cidade turca de Istambul.
Variedade criptocristalina de quartzo, podendo conter minúsculos cristais de quartzo com poros submicroscópicos; translúcida e frequentemente de belas colorações; todas as variedades têm aplicações em joalheria e em objetos de adorno. As calcedônias e ágatas comuns prestam-se para bolas de moinhos de preparação de pastas cerâmicas e para a confecção de equipamentos de laboratórios. A denominação "stricto sensu", refere-se a variedade comum, cinza-azulada.
Quando pedras translúcidas ou semitransparentes recebe o nome de JASPE, entre elas as variedades de calcedônia de tons claros (sin.: jasperita). Calcedônia opaca, de cor vermelha, marrom ou amarela, às vezes em listas devidas a inclusões de hematita, de fratura irregular e concóide; apresenta-se em massas e tem emprego em joalheria e na confecção de objetos de adorno e carimbos. As principais denominações que aparecem são: jaspe-listado, jaspe-porcelana, jaspe basáltico, plasma (verde-escuro), heliotrópio (plasma com manchas de cor vermelha-de-sague) e; pedra córnea (opaca, de coloração impura e fratura e brilho com aspecto de chifre).
Usos: É usada principalmente na fabricação de louças, artefatos de cutelaria, corta-papéis e artesanatos em geral. Algumas variedades são tão belas que chegam a ser consideradas pedras semipreciosas, sendo usadas como jóias e peças de ornamentação.
Ocorrência: A calcedônia forma-se nas cavidades de inúmeras espécies de rochas, especialmente nas lavas vulcânicas. A maior parte das ocorrências desenvolveu-se a partir de soluções ricas em sílica que se solidificaram a baixas temperaturas. A calcedônia também pode ser imitada a partir de sílica ou de substancias orgânicas como madeira, osso, conchas ou corais. Quando a opala perde os cristais de água que normalmente se ligam a ela, converte-se em calcedônia. Por isso, os cientistas dizem que a calcedônia é um produto da desidratação da opala.
No Brasil: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.
No Mundo: Uruguai, Turquia, Estados Unidos, Inglaterra, França e Dinamarca.


Topázio

O topázio está entre as gemas mais tradicionais e de uso mais antigo. Pode ser encontrado em muitas cores ? amarelo, rosa, azul, incolor, vermelho -, mas, por ser a amarela a mais valiosa, muitos pensam ser sempre esta sua cor.
A variedade amarela-alaranjada, comercialmente conhecida como topázio imperial, é particularmente importante para os brasileiros, pois nosso país é o único que a produz. Ele é extraído apenas em Minas Gerais e somente no município de Ouro Preto. Trata-se, pois, de uma gema de ocorrência muito restrita
O citrino, uma variedade de quartzo de cor semelhante à do topázio imperial, mas de menor valor, é freqüentemente vendido como se fosse esta gema. Estima-se que 80% da s pedras que são vendidas como topázios são, na verdade, citrinos. Isso explica o grande número de nomes comerciais enganadores dados ao quartzo amarelo: topázio da Boêmia, topázio de Salamanca, topázio Escocês, Topázio Hinjosa, topázio Madagascar, etc. No Brasil, já foram muito usados os nomes topázio Rio Grande, topázio Bahia e topázio Palmeira, dos quais o primeiro pelo menos foi praticamente abandonado no Rio Grande do Sul, seu principal produtor.
Esses nomes podem enganar o consumidor duplamente: primeiro por ser tratar de citrino e não de topázio; segundo porque muitas vezes a cor desse citrino foi obtida artificialmente, por tratamento térmico de ametista.
O quartzo amarelo assim obtido é muito apreciado e responde por boa parcela das exportações de gemas gaúchas. Mas, não se trata de nenhuma fraude, desde que ele seja vendido pelo que é, ou seja, citrino, e não topázio. Mas, como distinguir citrino de topázio imperial?
Se forem gemas brutas, a distinção não é difícil, bastando verificar a dureza (maior no topázio), clivagem (ausente no citrino) e morfologia dos cristais, por exemplo. Mas, se forem lapidadas, fica bem mais difícil e é preciso recorrer a equipamento gemológico que permita determinar propriedades como o índice de refração e a densidade (ambos mais altos no topázio).
A água-marinha e o topázio azul também podem ser confundidos. Mas, neste caso o topázio é que é a gema menos valiosa e são raros os nomes enganadores, tipo água-marinha Nerchinsk (topázio azul).
Normalmente pensa-se no Topázio como amarelo dourado, transparente. No entanto, ele pode ainda ser amarelo-laranja, vermelho, cor de mel, cereja escuro, verde claro, azul e rosa. O nome Topázio deriva da palavra Grega (Bllhar) e também se aplica à palavra fogo. O Topázio Imperial e os Rosas são os mais valiosos.

Jazidas: O Topázio encontra-se no Brasil, na Nigéria e no Sri Lanka

Cuidados com seu Topázio: Recomenda-se tirar o Topázio para atividades que possam desgastar, riscar ou quebrar a pedra.

Propriedades: Proteção, melhora a circulação, afasta a ira, ajuda a regenerar os tecidos, representa a energia. Intensifica e transforma os pensamentos e sentimentos mais subjetivos em forma concreta. Rejuvenesce o corpo elétrico e o alinha com o corpo físico.

Rubi

O nome rubi vem do latim "Ruber" que significa vermelho. Assim como a safira é do grupo dos Coríndons. É o mineral mais duro depois do diamante. Assim como as esmeraldas, possuem muitas inclusões que são provas de sua legitimidade. Apenas 1% dos rubis é utilizado para joalheria. Os rubis grandes são raros e muito valiosos. O maior rubi digno de ser lapidado tinha 400 ct e foi encontrado na Birmânia.

Jazidas: As jazidas de Rubi estão localizadas principalmente em Sri Lanka, Índia, Birmânia, Tailândia e Tanzânia

Cuidados com o rubi: O Rubi é a mais durável das pedras preciosas depois do diamante. Para assegurar longa vida de sua jóia proteja-a dos riscos.

Marcassita

Hoje em dia as pessoas estão familiarizadas com diamantes, rubis, esmeraldas e pérolas. Poucas pessoas usam a marcassita. Mas ela foi muito requisitada no século 18 como substituto do diamante. E durante os períodos art déco e art nouveau, do início do século 20, se tornou muito popular.
Sua superfície tem um brilho muito bonito. É um mineral natural. Tem uma cor amarelo-pálido e brilho metálico.
Muitas pessoas a confundem com a pirita. Apesar das duas terem a mesma fórmula química, possuem estruturas cristalinas diferentes.
O metal mais usado com marcassita é a prata. O contraste que causa a combinação do metal com a pedra dá um aspecto vintage muito bonito.
Hoje em dia anéis, brincos e broches têm um preço muito acessível no mercado e a marcassita dá um charme muito especial como acessório
Vestígios de jóias com Marcassita foram encontrados na Grécia antiga e nos cemitérios do povo Inca da América Latina.
Há relatos de que Cleópatra também usava Marcassitas a fim de preservar sua beleza. A Marcassita também era extremamente popular nos séculos 18 e 19 na Grã-Bretanha, alcançando o seu pico em popularidade durante o reinado da rainha Vitória da Inglaterra na segunda metade do século 19.
Muitos designers criaram coleções com marcassitas misturadas a ouro e pedras preciosas dando uma cara mais moderna para a jóia.
Hoje em dia a marcassita tem sido muito importante na exportação da Tailândia para o Brasil.
Na Índia ela é usada tradicionalmente como parte do vestido de noiva, substituindo o strass. O que deve ser uma grande dor de cabeça, já que não pode ser lavado.
As jóias de marcassita requerem cuidados especiais.
É uma pedra macia e na maioria das vezes é colada e não cravada. Por isso, nem pense em chegar perto de água com ela. Para limpar só use pano ou flanela seca.
Quando cair alguma pedrinha não adianta usar super bonder ou similares. Leve a um profissional que tem a resina certa para não estragar a sua jóia.

Comentários