MINHA CONTA

Endereço de e-mail

Senha

>
DE: R$ 1.978,00
POR: 998,00

ou 12x de R$ 97,65 com juros

COMPRAR
Imagem 1
Imagem 2

Anel de Prata 925 com Multigemas Naturais

(001122)

Marca:  Preciosa  | 

Modelo:  Jóia de Prata 925 com Gemas Naturais

Fantástico Anel de Prata 925 com Ametista, Granada de Moçambique, Peridoto, Citrino, Topázio, Calcedônia, Cornalina, Espinélio, Rubi e Safira Naturais

mais informações

Anel de Prata 925 com Multigemas Naturais

(001122)

Marca:  Preciosa  | 

Modelo:  Jóia de Prata 925 com Gemas Naturais

Fantástico Anel de Prata 925 com Ametista, Granada de Moçambique, Peridoto, Citrino, Topázio, Calcedônia, Cornalina, Espinélio, Rubi e Safira Naturais

mais informações

As combinações acima não possuem estoque.

de: R$ 1.978,00

por: R$ 998,00

ou por 12x de R$ 97,65 com juros

ESTOQUE: 1

Quantidade

+

-

COMPRAR

Frete e prazo

Frete e prazo

calcular

Não sei meu cep

Descrição do Produto

DESCRIÇÃO:

Anel de Prata 925 com Ametista, Granada de Moçambique, Peridoto, Citrino, Topázio, Calcedônia, Cornalina, Espinélio, Rubi e Safira Naturais

Nome da(s) Pedra(s): Ametista, Granada de Moçambique, Peridoto, Citrino, Topázio, Calcedônia, Cornalina, Espinélio, Rubi e Safira Naturais
Cor da(s) Pedra(s): Lilás, Vermelho, Verde, Amarelo, Azul, Rosa, Branco, Preto, Fumê e Laranja
Aro: 19*
Peso: 12,8 gramas, ou 64,01 CT. (peso total de prata + pedra)
Tipo de Metal: Prata 925
Dimensões da(s) Pedra(s): 2,5 mm a 5,0 X 3,0 mm
Face: 25,0 X 19,0 mm
Lapidação: Oval e Redonda Facetada
Clareza da(s) Pedra(s): IF a VVS e Excelente
Brilho: Belo
Tratamento: Não Aquecido e Aquecido
Origem da(s) Gema(s): África, Brasil, Burma, Índia e Kanchanaburi (Thailândia)
Origem da Jóia: Thailândia

Curiosidades:

Cornalina
A Cornalina é um mineral vermelho acastanhado comumente usado como pedra semi-preciosa. É uma variedade de sílica calcedônia, cuja cor resulta de impurezas de óxido de ferro. A cor pode variar muito, desde um laranja pálido a uma coloração intensa, quase preta.

Espinélio
O Espinélio é o maior impostor da história das pedras preciosas: muitos rubis famosos em jóias de coroas ao redor do mundo são, na realidade, espinélios. O mais famoso é o Rubi Black Prince, um magnífico espinélio vermelho de 170 quilates que agora enfeita a Coroa Imperial da Inglaterra após uma longa história: Henry V o usava em seu capacete de batalha! O rubi Timur, um espinélio vermelho de 361 quilates agora pertence à Rainha Elizabeth, e tem os nomes de alguns dos imperadores que o possuíram gravados em sua face: um pedigree incontestável!
Na Birmânia (agora conhecido como Mianmar), onde algumas das cores mais bonitas são minadas, o espinélio foi reconhecido como uma espécie de jóia somente em 1587. Em outros países, a farsa continuou por centenas de anos. Espinélios eram mais freqüentemente conhecidos como "rubis balas", o que pode ter se dado devido à sua cor ou ao seu país de origem.
Agora estimado por seu próprio valor, o espinélio é uma das pedras favoritas dos traficantes de pedras preciosas e compradores por conta de seu brilho, dureza e ampla gama de cores espetaculares. Além de vermelhos ricos, o espinélio pode ser encontrado em uma variedade de tons pastel de rosa a roxo. De interesse particular é um espinélio de cor rosa quente vívido com um toque de laranja, extraído na Birmânia. É uma das cores de pedras preciosas mais espetaculares já vistas de qualquer espécie. O Espinélio também vem em belos tons azul cobalto, mas estes são muito, muito raros.
Na verdade, o principal fator que impede o espinélio de alcançar maior reconhecimento é a sua raridade. Os Espinélios finos são agora mais raros do que os rubis que costumavam imitar. Estranhamente, eles também são mais acessíveis: no mundo das gemas preciosas, a raridade pode ser uma desvantagem, porque poucas pessoas terão chance de desenvolver um gosto para as variedades em questão.
Além de Birmânia, espinélio é extraído no Sri Lanka, Tanzânia e Tadjiquistão, que faz parte da antiga União Soviética.
O Espinélio é uma gema durável perfeito para todos os usos em jóias. É mais freqüentemente facetado em redondo, oval, ou formas de almofada, e, de momento, não é encontrado em tamanhos calibrados devido à sua raridade.

Rubi

O nome rubi vem do latim "Ruber" que significa vermelho. Assim como a safira é do grupo dos Coríndons. É o mineral mais duro depois do diamante. Assim como as esmeraldas, possuem muitas inclusões que são provas de sua legitimidade. Apenas 1% dos rubis é utilizado para joalheria. Os rubis grandes são raros e muito valiosos. O maior rubi digno de ser lapidado tinha 400 ct e foi encontrado na Birmânia.

Jazidas: As jazidas de Rubi estão localizadas principalmente em Sri Lanka, Índia, Birmânia, Tailândia e Tanzânia

Cuidados com o rubi: O Rubi é a mais durável das pedras preciosas depois do diamante. Para assegurar longa vida de sua jóia proteja-a dos riscos.


Topázio

O topázio está entre as gemas mais tradicionais e de uso mais antigo. Pode ser encontrado em muitas cores: amarelo, rosa, azul, incolor, vermelho etc, mas, por ser a amarela a mais valiosa, muitos pensam ser sempre esta sua cor.
A variedade amarela-alaranjada, comercialmente conhecida como topázio imperial, é particularmente importante para os brasileiros, pois nosso país é o único que a produz. Ele é extraído apenas em Minas Gerais e somente no município de Ouro Preto. Trata-se, pois, de uma gema de ocorrência muito restrita
O citrino, uma variedade de quartzo de cor semelhante à do topázio imperial, mas de menor valor, é freqüentemente vendido como se fosse esta gema. Estima-se que 80% da s pedras que são vendidas como topázios são, na verdade, citrinos. Isso explica o grande número de nomes comerciais enganadores dados ao quartzo amarelo: topázio da Boêmia, topázio de Salamanca, topázio Escocês, Topázio Hinjosa, topázio Madagascar, etc. No Brasil, já foram muito usados os nomes topázio Rio Grande, topázio Bahia e topázio Palmeira, dos quais o primeiro pelo menos foi praticamente abandonado no Rio Grande do Sul, seu principal produtor.
Esses nomes podem enganar o consumidor duplamente: primeiro por ser tratar de citrino e não de topázio; segundo porque muitas vezes a cor desse citrino foi obtida artificialmente, por tratamento térmico de ametista.
O quartzo amarelo assim obtido é muito apreciado e responde por boa parcela das exportações de gemas gaúchas. Mas, não se trata de nenhuma fraude, desde que ele seja vendido pelo que é, ou seja, citrino, e não topázio. Mas, como distinguir citrino de topázio imperial?
Se forem gemas brutas, a distinção não é difícil, bastando verificar a dureza (maior no topázio), clivagem (ausente no citrino) e morfologia dos cristais, por exemplo. Mas, se forem lapidadas, fica bem mais difícil e é preciso recorrer a equipamento gemológico que permita determinar propriedades como o índice de refração e a densidade (ambos mais altos no topázio).
A água-marinha e o topázio azul também podem ser confundidos. Mas, neste caso o topázio é que é a gema menos valiosa e são raros os nomes enganadores, tipo água-marinha Nerchinsk (topázio azul).
Normalmente pensa-se no Topázio como amarelo dourado, transparente. No entanto, ele pode ainda ser amarelo-laranja, vermelho, cor de mel, cereja escuro, verde claro, azul e rosa. O nome Topázio deriva da palavra Grega (Bllhar) e também se aplica à palavra fogo. O Topázio Imperial e os Rosas são os mais valiosos.

Jazidas: O Topázio encontra-se no Brasil, na Nigéria e no Sri Lanka

Cuidados com seu Topázio: Recomenda-se tirar o Topázio para atividades que possam desgastar, riscar ou quebrar a pedra.

Propriedades: Proteção, melhora a circulação, afasta a ira, ajuda a regenerar os tecidos, representa a energia. Intensifica e transforma os pensamentos e sentimentos mais subjetivos em forma concreta. Rejuvenesce o corpo elétrico e o alinha com o corpo físico.

Ametista

O nome vem do Grego amethystos, significa não ébrio, não bebido. É a pedra mais apreciada da família dos Quartzos. A sua cor é violeta púrpura, podendo ser mais profunda ou mais suave; também é encontrada com faixas brancas de quartzos leitosos.

Esta pedra ocupou destaques importantes em ornamentos católicos ao longo dos séculos, considerada a pedra de Bispos e Cardeais. No século XVIII era muito valorizada, após descoberta de jazidas no Brasil se tornou uma pedra de médio valor. Quando têm formato de pirâmides, a cor mais intensa predomina nas pontas dos cristais. A ametista é encontrada em muitos países, mas os maiores depósitos estão no Sul do Brasil e no Uruguai.

Jazidas: As Ametistas são encontradas em geodos, gretas ou jazidas aluvionares. As jazidas mais importantes estão no Brasil, Uruguai e República de Malgaxe.

Cuidados com a sua ametista: A Ametista é uma pedra muito durável e por isso é uma ótima escolha para o uso diário. Deve-se apenas tomar o cuidado de retirar a jóia em atividades em que a pedra possa sofrer riscos. Tomando-se este cuidado a pedra estará sempre intacta.

Propriedades: Pedra da Alma, pedra utilizada para abertura do 3º olho, acalma a vibração trazendo tranqüilidade para o interior da mente. Libera a tensão. Mexe com o corpo mental, protege conta doenças, tranqüiliza. É usada para insônia e enxaqueca. Atua sobre o sistema circulatório, imunológico e metabólico. Acalma a mente, aumentando a memória e a motivação.

Citrino

O nome, citrino, é derivado de sua cor amarelo-limão (do latim citrus). Os citrinos de cor amarelo-intensa chamados de "citrinos madeiras" são raros e muitas vezes são chamados, erroneamente, de topázio, devido à semelhança de sua cor.

Jazidas: As jazidas mais importantes de citrino estão no Brasil, República de Malgaxe, EUA, Espanha e Montes Urais.

Cuidados com seu citrino: Admirado por sua beleza e durabilidade, o citrino é uma boa escolha para o uso diário. Deve-se apenas tomar o cuidado de removê-lo quando for praticar atividades que possam riscá-los.

Propriedades: Força vibrante, usado principalmente no chakra do umbigo, sua energia nos dá a mesma sensação de estar no sol, aquece, penetra, energiza e dá vida. O domínio desse chakra é poderosíssimo, mexe com o corpo físico, ligado a negócios e ao poder.

Granada:

As granadas, assim como as turmalinas, são um grupo de gemas que compreende várias espécies, e não uma única espécie com diversas variedades, como é o caso do quartzo. Indica um grupo de minerais silicatos, de propriedades semelhantes, mas de composição química diferentes.
Quando se fala de granada, em Gemologia, não se está designando uma espécie mineral, mas sim um grupo de minerais que possuem várias características semelhantes.
Usualmente, associa-se as granadas à cor vermelha, mas elas podem ter várias outras cores, incluindo o incolor, exceto na cor azul. Não apresentam clivagem o que, aliado ao fato de serem do sistema cúbico, facilita bastante sua lapidação, pois não há necessidade de se orientar o cristal para lapidá-lo.
Esses minerais são silicatos que cristalizam no sistema cúbico, exibindo muito freqüentemente cristais granulares (daí seu nome), bem formados, com todas as faces (cristais euédricos). Podem ser, por exemplo, dodecaedros, que têm doze faces. Eles não costumam ser grandes, mas achou-se na Noruega um cristal de granada de 2,30 m de diâmetro e 37,5 t, o maior de que se tem notícia.
As granadas são transparentes a semitransparentes ou opacas, de brilho vítreo e resinoso, graxo ou adamantino. A dureza varia de 6,5 a 7,5 e a densidade, de 3,50 a 4,20. Traço branco, fratura concóide, quebradiça, irregular. A granada pode ocorrer também em massas granulares compacta
É uma gema que pode ter várias cores, à exceção do azul. O nome granada não designa uma gema, mas um grupo de gemas. As granadas mais importantes como pedras preciosas são piropo (a mais valiosa), rodolita, tsavorita, almandina, espessartina, grossulária, hessonita e andradita. Conforme a espécie, pode-se ter uma granada incolor, vermelha (a mais comum), amarela, marrom, preta e até verde (chamadas demantóide e tsavorita). As espécies mais comuns são almandina (a mais usada como gema), grossulária, spessartita, andradita, piropo e uvarovita. Elas possuem diversas variedades, como rodolita, hessonita, tsavorita e topazolita, por exemplo.
Os tons rubros vão desde o framboesa até o vermelho cor de sangue.
Os tons de verde são equivalentes aos das esmeraldas, existindo ainda granadas em tonalidades de amarelo, laranja e castanho.
Os variados aspectos das granadas possibilitam uma utilização adequada a todos os gostos e é acessível a todos os bolsos.
Os piropos maiores têm até dois quilates, podendo ter um vermelho bonito. As almandinas vão do laranja-averrnelhado ao vermelho. Já a rodolita tem cor vermelho-arroxeada ou roxo-averrnelhada, algumas vezes rosa ou vermelho-púrpura. Raramente tem mais de cinco quilates. Muitas gemas, vendidas como rodolita são, na verdade almandina ou piropo. Outras granadas são as andraditas, que podem ser verdes, amarelas, marrons ou pretas. A granada mais valiosa é a tsavorita, que possui um verde esmeralda profundo. Existem ainda outras granadas, que têm cores que vão do amarelo ao rosa.
A mais valiosa dessas espécies é, para alguns, o piropo, de cor vermelha bem viva. Walter Schumann, porém, considera o demantóide, uma variedade de andradita, a granada de maior valor. A propósito, é bom lembrar que a andradita tem esse nome em homenagem a um brasileiro, José Bonifácio de Andrade e Silva ? o Patriarca da Independência (que além de político, foi um grande mineralogista e descobridor de vários minerais).

Jazidas: Os principais centros de extração de granadas são a África do Sul, o Sri Lanka, Madagáscar, Brasil, Índia e Austrália.

Cuidados com a sua Granada: Tal como para as restantes gemas, temos que as proteger de riscos e de temperaturas elevadas.

Propriedades: Clarividência, orgulho, sucesso, autoconfiança, força e vitória. Liga ao coração e sexualidade.

Peridoto

O nome desta pedra é derivado do grego, mas seu significado é desconhecido. Crisólita, um sinônimo, significa (do grego) "pedra de ouro". Em mineralogia, o nome usado para o peridoto é Olivina (por sua cor verde-oliva). O maior peridoto lapidado pesa 310ct e está em Whashington (EUA).

Jazidas: As jazidas do Mar Vermelho e Zebirget vêm sendo exploradas há 3.500 anos. Pedreiras na Birmânia produzem pedras muito boas. Os peridotos também podem ser encontrados na Austrália, Brasil (Minas Gerais), África do Sul, EUA e Zaire. No norte da Ásia existem peridotos lapidados procedentes de um meteorito caído em 1749, na Sibéria.

Cuidados com o peridoto: Embora o peridoto seja uma pedra recomendada para uso diário, deve-se tomar cuidado com os riscos e as mudanças de temperatura extremas.

Safira

O nome Safira vem do grego e significa "azul". Antigamente, o nome safira era utilizado para designar todas as pedras azuis. A safira pertence ao mesmo grupo do rubi, o grupo dos coríndon. As safiras possuem diversas cores, desde o azul, amarela, rosa, laranja, pois a única cor da família dos coríndons que não é safira é a vermelha, que é o rubi. Em 1966, foi encontrada a maior safira estrelada (astérica), um cristal de 63.000 quilates (=12,6kg).

Jazidas: As jazidas mais importantes de safiras estão na Austrália (Queensland, desde 1870), Birmânia, Norte da África, Sri Lanka e Tailândia. As melhores Safiras vinham, antigamente, de Kashmir, na Índia; a jazida se encontrava a 5000m de altitude e estava sendo explorada desde 1880 e parece estar esgotada

Cuidados com sua safira: É uma pedra muito resistente, um dos mais duráveis. Deve-se apenas tomar cuidado com os riscos.

CURIOSIDADES:

Calcedônia

Sistema: Trigonal
Dureza: 6 ½ - 7
Cor: incolor, branco, cinza, azul e uma infinidade de outras cores

A Calcedônia é tradicionalmente definida como uma variedade fibrosa de Quartzo criptocristalino. Mais recentemente tem sido demonstrado que a Calcedônia é uma mistura de Quartzo e Morganita, outro mineral de sílica.

Quando é dividido concentricamente em faixas (muitas vezes em padrões bastante selvagens) é chamado pelo nome de Ágata. Quando possui camadas planas ou bandas é chamado pelo nome de Ônix.
A Calcedônia, ou quartzo criptocristalino, é um mineral único, com uma história fascinante. Muitas de suas variedades coloridas eram altamente estimadas pelos povos antigos, tanto para adorno pessoal quanto artigos utilitários. Hoje, por ser encontrada em abundância, é um dos materiais menos dispendiosos para gemas, e goza atualmente de uma popularidade maior do que nunca. A matriz aparentemente interminável de cores e padrões de distribuição de cor em que a calcedônia ocorre apresenta uma fonte inesgotável de prazer e um desafio constante aos lapidadores.
A maioria das variedades calcedônias tem um fundo histórico interessante e mais do que a quota usual de lendas, superstições e crenças estranhas. A Ágata foi uma das matérias primeiramente conhecidas pelo homem. Segundo a lenda, ela fez o utente agradável e persuasivo e deu-lhe o favor de Deus; também lhe garantiu a vitória e a força.
Era usada para curar a insônia e fazer o proprietário ter sonhos agradáveis. Também foi indicada para ajudar o proprietário na aquisição de riquezas, fazendo-o mais cauteloso e prudente.
Os sumérios, os primeiros habitantes da Mesopotâmia, parecem ter sido os primeiros a usar formas de ágata e outras de quartzo calcedônico para vedações, anéis, pulseiras e outros artigos de joalheria. Uma vez que a cultura suméria aparentemente estava bem desenvolvida quando o Egito estava em sua infância, pode-se ver que foram usados calcedônia e similares desde os primórdios da civilização. Os sumérios também utilizavam a ágata em cabeças de machados cerimoniais, um excelente exemplo está no Museu Americano de História Natural, em Nova York. Uma inscrição gravada define a data do instrumento, entre 3000 e 2300 aC.
Nos primeiros tempos, a ágata foi um dos materiais preferidos para a escultura em bacias, garrafas e copos.
O Chrysoprase, palavra vem do grego que significa "ouro verde", é uma das variedades de Calcedônia. Uma das superstições associadas a esta pedra em variedade verde-amarelada é a de que, se um ladrão condenado à morte tem um chrysoprase em sua boca, escapará de seu cruel destino. Outra história interessante diz respeito a um chrysoprase que Alexandre, o Grande, usava em seu cinto durante todas as suas batalhas. De acordo com esta fábula, ele pôs de lado seu cinto para se banhar no rio Eufrates depois de sua campanha indiana e caiu no rio.
A Cornalina, outra variedade de Calcedônia, carrega a lenda de poder afastar o mal e trazer boa sorte. Foi supostamente a pedra indicada para vozes fracas ou tímidas, dando coragem para falar bem. Protege contra os invejosos e garante a satisfação dos desejos.
A Sardônica, que é semelhante à Cornalina, mas mais escura e mais acastanhada, tem seu nome derivado da palavra grega "Sardes", que era a capital da Lídia na Ásia Menor. A Sardônica consiste de bandas brancas e pretas, alterna com o Peridoto como a pedra para o mês de agosto. A Sardônica é muito indicada como proteção contra encantamentos e feitiçaria e para aguçar os sentidos, tornando o usuário final destemido, vitorioso e Feliz.
O Bloodstone, ou Heliotrópio, é uma calcedônia verde-escura salpicada de vermelho, e alterna com a Água Marinha como a pedra do mês de março. O Heliotrópio vem de duas palavras gregas que significam "sol" e "direção". O Bloodstone já foi usado como um amuleto, na crença de continha hemorragias. Tal como acontece com muitas das variedades de Calcedônia, o Bloodstone tem sido usado como uma pedra preciosa desde os primeiros registros históricos.

Variedades de calcedônia

Uma vez que o quartzo é o mineral mais abundante na crosta terrestre e a forma cristalina minuciosamente calcedônica é encontrada em todos os países, não é surpreendente que haja um grande número de variedades distintas. Apesar de os amantes de pedras e colecionadores de minerais distinguirem literalmente centenas de variedades de calcedônia, os descritos a seguir são os únicos de importância para o joalheiro.

Calcedônia

No uso geral, calcedônia e quartzo criptocristalino termos são sinônimos, portanto, o nome ?calcedônia? pode ser aplicado corretamente a numerosas variedades deste mineral de família grande.

Calcedônia "Pedra da Lua"

Esta variedade é semitransparente, e vai do branco ao cinza calcedônia (leitoso), que lembra vagamente a Pedra da Lua. Ela não tem o efeito de luz flutuante que é característico da Pedra da Lua genuína.

Chrysoprase

A variedade semitransparente à luz translúcida de calcedônia, de cor verde-amarelada média, é chamada de Chrysoprase. Este termo deve ser reservado para o material natural e não deve ser aplicado ao quartzo calcedônico tingido de verde escuro que muitas vezes é vendido como "ônix verde" ou "chrysoprase".

Cornalina

A Calcedônia semitransparente , vermelho-alaranjada a castanho-vermelha ou marrom-laranja translúcido é chamado de Cornalina. Estas cores também podem ser produzidas por tratamento térmico em Calcedônia quase incolor.

Sardônica

A Sardônica é semelhante à Cornalina, exceto que sua cor é geralmente menos intensa, ou seja, mais acastanhada e um pouco mais escura. Ela tende mais para as cores escuras, avermelhadas e a Cornalina para as cores mais leves, tons predominantemente laranjas. Infelizmente, não há linha divisória distinta entre a Sardônica e a Cornalina.

Bloodstone ou Heliotrópio

Calcedônia semi translúcida, com tons para verde-escuro opaco com vermelho ao marrom, com manchas vermelhas, é chamada também de Bloodstone ou Heliotrópio. Ele é freqüentemente usado para anéis masculinos, seja na forma de pastilhas planas ou em formas esculpidas.

Prásio

O Prásio é uma Calcedônia verde-amarela translúcido acinzentado que encontra pouca aplicação no comércio de jóias.

Ágata

Ágata é uma variação de Calcedônia no qual a cor é distribuída em bandas curvas ou em camadas. A aparência unida é distinguida por uma diferença na cor ou translucidez, ou em ambas, entre as camadas adjacentes de calcedônia. Devido à sua natureza bastante porosa, a Ágata branca e cinzenta é particularmente suscetível a vários corantes. A tintura pode colorir o material de forma desigual, preservando a aparência unida, ou pode penetrar em materiais porosos de modo uniforme, de forma que o resultado seja de cor única.

Ônix

O Ônix é uma Calcedônia composta de retas, ou bandas paralelas.

Jasper

O Jasper é uma Variedade de Calcedônia opaca ou semi translúcida e ocorre em uma variedade de cores, muitas vezes sem um padrão definido. Ele pode ser vermelho, amarelo, marrom, azul, verde acinzentado ou qualquer combinação destes. É freqüentemente tingido de azul e vendido como "lápis suíço" ou "lápis alemão".

Plasma

Plasma é uma Calcedônia semi translúcida para quase opaca, de cor verde-escuro com manchas brancas ou amareladas. Plasma e Prásio são por vezes usados como substitutos baratos do Jade.

Crisocola

O Crisocola é uma variedade de Calcedônia translúcida para semi-translúcida, de cor intensa, azul ou azul-esverdeado. Trata-se de uma das mais belas variedades de Calcedônia. Na sua melhor qualidade que rivaliza com a Turquesa mais bela na aparência. Infelizmente, porém, é bastante raro.

Madeira Agatizada

Trata-se de madeira que foi inteiramente substituída pela Calcedônia e se assemelha a um Jasper modelado. É um material bastante atraente para fins ornamentais. Quase todas as cores calcedônicas estão representadas, incluindo o vermelho, amarelo, preto e marrom. É também chamada de madeira petrificada.

Formação de Calcedônia

O Quartzo Criptocristalino é depositado em temperaturas relativamente baixas pela circulação das águas subterrâneas ou por águas magmáticas que caíram para temperaturas próximas aos esperados na superfície da Terra. A crosta da Terra é tão rica em sílica, que águas subterrâneas comumente abordam a saturação do teor de sílica. Como resultado, Calcedônia ou outras formas de quartzo são muitas vezes depositados em cavidades nas rochas perto da superfície. Essas águas podem dissolver materiais pré-existentes, tais como madeira, osso, conchas, e substituí-los partícula por partícula por Calcedônia. A Calcedônia e/ou o Quartzo cristalino podem preencher cavidades ou linhas de qualquer tipo em rochas perto da superfície para formar concreções ou geodos.

PRODUTOS RELACIONADOS

Produtos Relacionados

Comentários